Conecte-se à Essência!

bebe

Um  convite!

Convido a olhar para você quando bebê recém-nascido (estou fazendo o mesmo daqui, ok?!). Mal dávamos conta de segurar a cabeça no corpo. Poucos meses adiante, já engatinhávamos e em seguida, ainda que buscando apoio, ficávamos sob os nossos dois pés! Cada um no seu tempo, descobrimos sozinhos como andar. Incrível refletir sobre a nossa capacidade de aprendizagem, de assimilação e de superação… Incrível sentir como era a nossa conexão com o Divino! \o/

Sem dizer da nossa comunicação não verbal, éramos mestres. Entendíamos e nos fazíamos entender muito bem. Estava tudo certo.

Os anos passaram e cumprimos o padrão: escola, boletins, melhor aluno, filho exemplar, passar de ano, passar no vestibular, entrar no mercado de trabalho, sobreviver no mercado de trabalho. Em resumo, nossa cultura e educação nos impuseram as seguintes condições: ser o melhor sempre, não errar nunca (em um treinamento específico, peço que as pessoas repitam “eu posso errar e eu vou aprender” e alguns alunos empacam, engasgam, murmuram, e não conseguem dizer isso com firmeza). Não percebemos o quanto a coisa toda degringolou por termos nossa identidade atrelada à essa condição. Criamos máscaras e armaduras. A necessidade de ser visto, de pertencer e de reconhecimento nos cegou. Adoecemos. Espiritualmente adoecemos. Emocionalmente adoecemos. Acredito que quando a doença chega ao corpo físico é o ponto inicial da cura. Porque daí sim, sinestesicamente, sentimos a dor da doença instalada. Não tem jeito, é chegado o momento de parar e revisar tudo.

Talvez eu esteja “chovendo no molhado” para muitos, mas estou sentindo que o be-a-bá precisa ser revisitado. Aquilo que está escancarado na nossa cara é o mais difícil de enxergar. Possivelmente por ser o mais difícil de aceitar. Nossa alma sabe, mas o nosso ego cria ilusões… Então, ficamos correndo atrás do rabo.

Vamos voltar ao tempo de bebê… aquele tempo no qual não tínhamos medo do julgamento, preocupação em ser o primeiro a andar da turminha, nem do que os outros iam pensar. Havia amor e respeito. Por nós e pelos outros. Respeitávamos nossos limites, nossas preferências, nossos talentos. O amor era genuíno e expresso deliberadamente. Havia equilíbrio entre o dar e o receber, havia respeito pelos que vieram antes e todos fazíamos parte de algum sistema que, energeticamente, estava unido a um grande sistema, um único Universo.

Não lembro quando, mas em algum momento dessa competição, instalou-se o “ou” na minha vida. O bagulho é incrível, tem uma força violenta e é difícil se libertar dele. Funciona mais ou menos assim: ou você é famoso ou ninguém te vê; ou você tem o kit baita casa/carrão ou é considerado um zé ninguém; ou você tem filhos ou ainda não descobriu o amor incondicional; ou você inicia e termina sua vida profissional na mesma empresa ou é alguém que não valoriza a estabilidade; ou é o primeiro lugar ou não tem chance na vida; ou trabalha no que gosta ou ganha dinheiro; ou somos durões ou viramos motivos de risadas; e por aí vai.

Aprendi (confesso, há pouco tempo) a considerar o “e”. E isso tem mudado consideravelmente meu jeito de ver a vida e, consequentemente, o meu jeito de viver a vida. E, claro, eu mudei. Como fazer isso, Magda? Lembra do bebê? Volta lá, conecte-se. Naquele tempo, vivíamos no mundo do “e” e das infinitas possibilidades. Por inúmeros motivos, acreditamos que não podemos ser assim na vida adulta.  Duas palavras importantíssimas: consciência e equilíbrio.

Alguns processos de coaching que conduzo atualmente estão direcionados ao encontro da missão e fico feliz à beça com isso. Há uma pegadinha oculta nessa busca da missão, “fulano já se achou e eu ainda não”. Ao agir assim, voltamos à fase “fulano tirou nota 10, e eu também tenho que tirar”. Estou certa de que todos viemos por um propósito maior e viver conectados a esse propósito é algo indescritível. É como se não desse para viver de outro jeito, você acorda e dorme com isso, pensa, sente e age conectada a isso. Não significa que somos melhores ou piores (percebem o “ou” chatinho aqui?). Isso nos torna responsáveis. Responsáveis pela transformação do mundo.

No fundo, essa é a missão universal: transformar o mundo num lugar melhor para viver. Descobrir a missão individual passar por “como eu posso contribuir para transformar o mundo num lugar melhor para viver? Qual talento possuo e que posso disponibilizá-los à serviço do bem maior?”. Aquiete-se. Silencie. Conecte-se. Sua criança sabe. Sua alma sabe… “Está tudo certo no aqui e agora.”

Como diz Lulu: vamos viver tudo o que há para viver… vamos nos permitir…

Fé e força, galera! Que dezembro seja de descobertas. Que 2019 seja de realizações.

 

Muito amor… pela vida, pra vida, com a vida

Magda

 

MF, 03/12/2018

 

A Amizade

amigas

Estou fora de casa há dias e não há como não passar por reflexões do tipo: como está minha casa, as plantas, os vizinhos, os porteiros, o pessoal da corrida de rua, meu amado Chico, a família e os amigos em geral. Durante essa reflexão me dei conta que já são quase 30 anos morando distante da família e o quanto a presença dos amigos fez e faz diferença em minha caminhada.

Em minha profissão também observo isso: as conexões que acontecem entre as pessoas, as equipes, a dificuldade de estabelecer e manter tais conexões. Aaaahh, as relações interpessoais.

Tudo começa com a abertura e tudo termina com a falta de abertura. Parece simples. E é! A gente é que complica. Por que? Porque ser humano é um bichinho complicado mesmo. A boa notícia é que a gente pode descomplicar, basta querer, basta estar aberto. Viu só, voltamos ao “tudo começa com a abertura”…

Amizade requer tempo, dedicação, respeito, confiança. Produz ombro amigo, sorriso solto e a possibilidade de enxergar a vida sobre outro ângulo. É preciso humildade para entender e aceitar que o outro pode ver mundos que nós não vemos, que a referência do outro é outra. É preciso diminuir a distância entre a razão e a emoção. É preciso equilíbrio. É preciso amor.

Amigo dá abraço, dá asas, dá colo, dá chão,  dá puxão de orelha…

Existem amizades que chegam e ficam. Existem amizades que vem e vão. Existem alguns que nem chegam. Os motivos são os mesmos: sinENERGIA e valores. E está tudo certo. Fato é que nada é por acaso, nada é em vão. Em algum momento de nossas vidas, contribuímos e recebemos contribuição dos amigos. Houve troca, houve partilha, houve vida! Vivemos!

Esse texto é uma homenagem a todos os meus amigos. Onde eu estiver, trago-os em meu coração. Vocês me permitem colocar em prática a minha melhor versão. Através de vocês sinto a amorosa presença de Deus. Sou só gratidão!

ps.: representando a amizade e tudo o que vem com ela, nessa foto estão minhas queridas amigas Marisa, Monica e Irene em uma divertida noite paulistana.

MF, 06.08.2017 em Pato Branco, PR.