Bye Bye Curitiba

Parece que foi ontem…, mas passaram 23 anos que moro nos alpes paranaenses! Tenho mais tempo de vida aqui do que em qualquer outra cidade que já morei.

Curitiba confunde: é fria, cinza e calada; também é multicores e quente quando quer. Curitiba é extremista: quando é frio, é frio; quando é calor, é calor, simples assim. Não há roupa “meia estação” como em outras cidades. Se você busca equilíbrio, Curitiba não é lugar pra você. Curitiba é intensa, charmosa e sabe seduzir!!! O que são os ipês curitibanos? E as copas das árvores da Avenida Getúlio Vargas, entre outras ruas, se entrelaçando feito amantes? Uma alegria ver o verde por todos os lados.

Nem sempre é possível ver a lua ou o sol, mas aqui há o fim de tarde mais lindo do mundo no inverno. Um presente de céu laranja avermelhado que indica que virá um amanhecer gelado de trincar os ossos… Então, existem os cafés, os bistrôs, as vinícolas, que trazem um certo calor aos estrangeiros friorentos como eu. Então, também, (re)encontro especiais amigos de caminhada.

Quanta coisa vivi, senti, aprendi e ensinei. Chorei de soluçar, gargalhei de engasgar, tropecei, voei. Errei, acertei, perdoei e fui perdoada. Engoli quadrado e não vomitei. Adoeci. Repensei e ressignifiquei. Transformei e reergui. Renasci e recomecei. Entendi que a vida é feita de “começos” diários e ter asas exercita o equilíbrio e é o elixir da juventude. Em alguns processos tive companhia, noutros encarei sozinha, de frente, na raça. Me pergunto se foi teimosia, imaturidade, miopia egóica, falta de humildade ou excesso de coragem. A resposta que me vem é a seguinte: “tá tudo certo, menina”!

Aqui perdi sangue, perdi uma vida, renovei minha fé e aprendi a sentir. Alguns abraços a gente não vê, mas aquecem o coração de um jeito… são inexplicáveis e maravilhosos! Garanto pra vocês: pensar com o coração é tão tão bom! Se nós mulheres somos de fases, sei lá quantas eu vivi aqui…

Aqui eu conheci a diferença entre religião e espiritualidade. Aqui eu amadureci. A maturidade traz serenidade e responsabilidade. A responsabilidade pela nossa felicidade, que aliás tá dentro da gente, junto com o amor. Sendo assim, os levamos para todos os lugares. Quer uma dica? Independentemente do que estiver procurando, volta para dentro, está tudo aí! E deixa ir o que não faz mais sentido, limpa, libera… Às vezes, dói e faz sangria. Está tudo certo! Confia!

É tempo de ir para uma nova fase em outro lugar… Encontro-me imensamente emocionada. É maduro reconhecer que aquela menina de 23 anos atrás vive soberana dentro de mim: cheia de sonhos, sensível, querendo criar um mundo melhor, com o coração pulsando forte e fazendo acontecer da melhor forma possível. Algo muito importante aprendi e vivenciei nos últimos anos e levo para a vida: ser consciência de quem somos é cura-dor. E sabe o que somos? Amor! Tá dentro, lembra? Quando aceitamos e reverenciamos essa verdade, o Universo nos retribui sorrindo. E é com essa certeza que eu sigo adiante, nada me faz parar. Pode vir fase nova, tô te querendo há algum tempo… Amar nos transforma, nos impulsiona e nos conecta a Deus. Não importa a pergunta, o amor é a resposta. É por ele que eu vou.

Obrigada Curitiba!!! Eu Sou amor e gratidão!

A centelha divina que há dentro de mim dá um abração na centelha divina que há dentro de você!

Muito amor,

Magda.

Curitiba, fevereiro de 2018.

Assim já é! Está feito, está feito, está feito! Optcha! Yuri! Jai ho! Hare hare, hare hama! Amém! Ahow!